Postagem em destaque

Promovida por prefeitura, 'prova da cachaça' termina com participantes em coma alcoólico em Rafael Fernandes, RN

Uma festa promovida por uma prefeitura no interior do Rio Grande do Norte terminou com quatro pessoas hospitalizadas por excesso de cons...

Presa dá à luz dentro de cela em complexo penal de Natal

Helena Juciara Terto de Paiva e a filha passam bem
(Foto: G1/RN)
Uma criança nasceu na manhã desta segunda-feira (21) dentro da ala feminina do Complexo Penal Dr. João Chaves, na Zona Norte de Natal. A mãe, que ainda não decidiu como vai chamar a menina, gosta de Vitória. Helena Juciara Terto de Paiva, de 24 anos, e a filha passam bem. Depois do parto, ambas foram levadas para hospital Santa Catarina, onde aguardam alta médica. A menina é o quarto filho de Helena.
Helena cumpre pena na João Chaves faz duas semanas. De acordo com o Tribunal de Justiça, ela foi condenada por tráfico de drogas, porte de arma de fogo e desacato em 2014. Em junho do ano passado foi beneficiada com o semiaberto, mas deixou de se apresentar conforme exigido e acabou retornando ao regime fechado.
Segundo a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc), a presa começou a sentir as dores do parto por volta das 7h30. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência foi acionada, mas alegou que não atenderia a mulher porque não presta socorro em locais fechados. Uma outra equipe médica, da própria Sejuc, foi mandada ao presídio, mas quando chegou ao local a bebezinha já havia nascido.
Pascoaliana de Souza Alves, diretora da unidade, contou que foram as companheiras de cela de Helena quem a ajudaram a dar a luz. “Uma presa, chamada Célia Lins, viu a cabeça da bebê já aparecendo e não teve outra alternativa senão atuar como parteira”, relatou. Ainda de acordo com a diretora, a ala feminina possui 114 presas.
Com o nascimento da menina, o juiz Henrique Baltazar dos Santos, titular da Vara de Execuções de Natal, concedeu prisão domiciliar para Helena. “Assim que receber alta médica, vai ficar em casa com a filha. Vamos instalar uma tornozeleira eletrônica para que ela seja monitorada. Depois do período de resguardo, ela volta para o presídio com a bebê, que precisa continuar a ser amamentada”, acrescentou o magistrado.
G1 RN



Nenhum comentário